domingo, 18 de novembro de 2018

Projeto "Bate-e-volta Montevideo" (BeVM)

Talvez seja um tanto prematuro, mas algum planejamento não é mau.

Vou tirar dez dias de férias em fevereiro do ano que vem. No fim do período vou para uma "lua de mel" de bodas de cristal (quinze anos de casamento). Um passeio em família aqui perto de casa mesmo que a gente ainda precisa priorizar gastos.

Mas no início do período inicial de férias eu tenho um alvará concedido pela autoridade competente para uma curta viagem. Assim, neste período eu pretendo fazer em quatro dias um "bate e volta" a Montevidéu. A princípio, o plano é:

Dia   Saída                        Destino                   Distância
1       Casa                         Chuí/RS                  Km 641
2       Chuí/RS                    Montevideo/URU    Km 327
3       Montevideo/URU      Rivera/RS               Km 505
4       Rivera/RS                 Casa                       Km 601



A propósito, se algum improvável leitor sentir vontade de acompanhar, dê um toque.

domingo, 11 de novembro de 2018

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

A sensação do vento na cara

Imagem: fonte no link.

Nós que amamos motocicletas, costumamos dizer que os cães nos entendem. Basta ver sua alegria com a cabeça ao vento na janela de um carro.

Às vezes esta analogia é ainda melhor.

Estacionava eu a Lady Day. Assim que me curvei para puxar o pezinho, passa um carro com um garoto, com uns seis anos mais ou menos, qual um cachorrinho a aproveitar o vento com a cabeça para fora da janela.

Mas ele olhava, com um olhar meio perdido, para trás, até ver minha moto. Então ele abriu a boca com aquele "ahn" de surpresa e ficou olhando, com um olhar plenamente concentrado, enamorado da Lady Day.

Desci da moto, sorrindo e acenando ao garoto com a cabeça. Mas acho que ele nem me viu. Sua paixão pela moto foi arrebatadora e ele era só sorrisos e olhos para ela.

Lady Day fez o dia de um garoto e o garoto fez o meu!

Garotos também entendem!

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Sobre cervejas


Recentemente tomei uma decisão bem pessoal a propósito de cervejas:

Realmente sem santarronice, mas...
Cerveja tinha que ter nome (de) santo,
como eu costumo brincar. Não é ilícita, mas divina!
A verdade é que, por ser cristão, sempre me incomodei com a referência de rótulos ou de comerciais a toda sorte de pecados. Porque a coisa não me faz sentido algum.

Afinal, ora essa!, boa parte das cervejas foram desenvolvidas em monastérios. Confundir a reverência a Deus com um austero mau humor moralista é tudo quanto está mais longe da verdade. O bom humor no silogismo deste quadro está muito mais próximo do que o comportamento cristão deve ser:

Quem bebe, dorme; quem dorme não peca; quem não peca, santo é.
Portanto: quem bebe, santo é.
Há, inclusive, uma famosa afirmação de Martinho Lutero que dizia, ao ser questionado sobre ter sido o responsável pela Reforma Protestante e o cisma com a Igreja Romana: "Eu não fiz nada, eu apenas preguei a Palavra de Deus, e enquanto eu tomava a minha cerveja a Palavra de Deus foi destruindo todo aquele império".

Quando alguém quer indicar uma moralidade exagerada ou falsa, usa o pejorativo "puritano". Uma enorme injustiça! Como disse C. S. Lewis em Studies in Medieval and Renaissance Literature: "Os puritanos amavam fumar; bebiam, caçavam, praticavam esportes, usavam roupas coloridas, faziam amor com suas esposas, tudo isso para a glória de Deus, que os colocou em posição de liberdade."

Assim deve ser àqueles a quem Deus prometeu uma vida abundante. Não toleramos os exageros e os vícios, mas não nos negamos os prazeres. Ao contrário, fruímos todo gozo para a glória dEle!

E é por isso que costumo brincar que "cerveja tem que ter nome de santo". Ou, mais propriamente, os nomes das cervejas, das cervejarias e os comerciais da bebida deveriam invocar os prazeres do paraíso e de todas as dádivas divinas.

Assim é que gostei demais deste comercial da cerveja Leffe. Confira:

Leffe: seja sempre bem-vindo!
Eis uma boa parte dos meus prazeres em referência aqui: Deus, motos, boa cerveja, boa música... Tudo na mais perfeita harmonia!

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Indian Springfield Dark Horse 2019

A Indian começou a divulgar a linha 2019, lá fora, claro, uma vez que fugiu do nosso mercado.

Eu sei, há a Road King Special e blá, blá, blá... mas olha isso! É realmente uma pena que não tenhamos a Springfield Dark Horse no nosso mercado.

E eu ainda tinha certo affair com a Springfield, sempre gostei da possibilidade de retirar os alforges e manter a beleza, como nas Softail.

Eu também sei, eu sou um pobretão e, enquanto pobretão, não poderia ter uma mesmo. Mas "possibilidade" é sempre melhor que "impossibilidade". 

A moto é simplesmente linda!
Indian Springfield Dark Horse 2019. Em "white smoke". Linda!
Imagem: Indian USA.