terça-feira, 28 de março de 2017

Projeto "baixo custom"

Com a expectativa de venda da Sporty, fico agoniado com a perspectiva de ficar sem moto por um tempo.

Daí cheguei a olhar algumas motos zero de baixa cilindrada entre as custom, claro, e as trail. Entre as custom, por um valor que me seja viável, apenas a Dafra Horizon 150 (com "inspiração" clara na 883R) e a Intruder 125 (que, original, é feia de doer). Entre as trail é difícil de eu achar o que me agrade aos olhos; quase tudo tem aquele grafismo exagerado e horroroso. Talvez a única que, embora não tão em conta, fosse do meu gosto seria a Honda XRE 190 (e dane-se o "urbana" do marketing: eu pegaria estrada com ela).

Mas meu olhar se volta mesmo é para motos pequenas mais antigas (e a Intrudinha, mesmo se nova, entra nesta lista) com projetos cafe racer, brat style ou até mesmo scrambler. Motos e projetos de baixo custo, que, se bem pensados, fazem uma belíssima moto.

Um belíssimo projeto assim é o da Cafe Racer de Fábrica com Honda CG 125 1980 - Fernando Casado, com história contada no blog Garagem Cafe Racer (aliás, excelente blog!). Esta CG 1980 azul ainda me evoca uma enorme nostalgia, pois meu pai (que estaria fazendo 70 anos hoje) teve uma e foi a moto com a qual eu comecei a olhar para as duas rodas com olhos mais gulosos.
CG 125 by Fernando Casado.
Outro projeto dos mais bonitos que vi foi este, a partir de uma Suzuki Intruder 250. A história do projeto é também contada no blog Garagem Cafe Racer (eu já disse que o blog é excelente?) em Intruder 250 Cafe Racer by Marcio Sahade.
Intruder 250 by Marcio Sahade.
Pelo meu gosto, embora a inspiração venha das cafe racers, eu acho que faria algo um tantinho diferente, com um paralama traseiro um pouco mais saliente (mais ou menos como na Intruder do Marcio), um banco sem a "corcova" cafe racer, e um guidão mais alto. Acho que ficaria algo mais brat style.

Olhando para estas duas motos, dá vontade de correr e comprar uma velhinha e começar o projeto. Três coisas me impedem, no entanto: falta coragem de comprar uma velhinha (não entendo patavina de mecânica e não tenho quem me auxilie), um certo temor de não conseguir peças (não tenho fornecedores por aqui e não conheço qualquer "caminho das pedras"; o que pode fazer o custo não ficar tão baixo assim) e, bem, eu não vendi a Sportster (e, sinceramente, eu espero que eu não venda!).

Enquanto venda é só uma expectativa, vamos aproveitando o casamento com a Lady Day e deixemos o "projeto baixo custom" como uma paquera despretensiosa.

2 comentários:

  1. Eu não gosto de café ... sei la, não faz meu estilo. Se tivesse uma pequena faria custom mesmo, e a intruder é a que mais me agrada.
    A opção de uma pequena é sempre válida, não deixa o "espírito" morrer. Ficar sem moto é osso irmão.
    By the way, happy birthday for daddy ! Rest in peace !

    ResponderExcluir
  2. Eu gosto, mas acho que não me adaptaria à posição delas. Por isso que penso numa brat. O visual pode ser semelhante às cafe racers, mas as brat admitem guidão mais alto e um possível maior conforto.

    Uma outra coisa que eu poderia fazer, e que não mencionei nesta postagem, é pegar uma pequena original (velhinha, clássica) e botar sidecar nela. Eu já não poderia viajar mesmo, o sidecar me colocaria junto com meus dois filhos em passeios pela cidade (e para levar e buscar na escola). O duro é que essas clássicas são destruídas ou caras.

    Mas vamos ver. Primeiro tem que vender. Depois penso na substituta (e, sim, estou realmente agoniado de pensar em ficar sem moto).

    Valeu, bro. Thanks a lot!

    ResponderExcluir

Comente o que quiser, concordando ou discordando, sugerindo, elogiando ou criticando, mas seja sempre educado. Qualquer comentário que seja ofensivo ou vulgar não será publicado.
Comentários de anônimos sem assinatura também não serão publicados, qualquer que seja seu conteúdo. Nem comentários puramente marketeiros.